RECANTO DA PROSA

Cantinho dedicado à leitura e à troca de ideias entre os amantes da literatura. Sinta-se em casa!

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER

Pobre não lê?



Todos os anos, desde que comecei o Recanto da Prosa, fico me perguntando o que postar no Dia Mundial do Livro e dos Direitos do Autor. Curiosidades sobre a data, memórias afetivas, explanações sobre como funcionam os direitos autorais e por aí vai. Mas neste ano não tive um instante de dúvida sobre o tema do qual precisamos falar: a taxação dos livros no Brasil.


Segundo o governo federal, como as "famílias com renda de até dois salários mínimos não consomem livros não didáticos" e "a maior parte desses livros é consumido pelas famílias com renda superior a dez salários mínimos", então não há problema em taxá-los. A lógica é a seguinte: já que o pobre não lê mesmo, não vai fazer diferença; o pobre vai continuar não lendo e o rico vai continuar comprando livros.


Num certo sentido – não me atirem pedras – o governo tem razão. Mas a questão (e essa é a crueldade da coisa) é que há uma inversão de causa e consequência aqui. Se o pobre não lê (e essa é uma afirmação da qual não estou lá 100% convicta), não é por falta de interesse ou capacidade intelectual, mas por ausência de estímulo, acesso e condições de leitura. Taxar o preço de capa em 12% terá como inevitáveis efeitos colaterais o repasse desse aumento ao consumidor final – e, por consequência, a ampliação do abismo existente entre os livros e os cidadãos das classes C, D e E. É óbvio. Um livro mais caro pesa incomparavelmente mais no bolso do “dois salários mínimos” do que no bolso do “dez salários mínimos”. Com mil e poucos reais para pagar as contas de alimentação, aluguel, energia, saúde e outros custos básicos no fim do mês, eu também cortaria os livros da lista. Não adianta romantizar, papel não enche barriga.


“Ah, mas o Paulo Guedes falou que vai distribuir livros gratuitos para os pobres”. Ótimo. Seria um sonho se não fosse conversa pra boi dormir. Que livros? Quem vai selecioná-los? Com que verba será feita a compra e a distribuição? Por que canais? Não há nenhuma proposta concreta de um plano para se fazer isso; e sem um planejamento estratégico, será que alguém realmente acredita na existência de um projeto nacional de distribuição de livros para a população de baixa renda? Outra coisa: não vamos nos esquecer de que a verba arrecadada pela taxação de 12% é absolutamente irrisória a nível de Estado; os ganhos não compensam os prejuízos.


De minha parte, eu poderia continuar este texto com números, dados e dezenas de argumentos, mas há gente muito mais capacitada do que eu fazendo isso por aí, com bases jurídicas e econômicas; então prefiro seguir por um outro caminho e falar da minha experiência enquanto profissional das Letras. Durante três anos, trabalhei em duas instituições sem fins lucrativos: uma ONG que promovia o ensino de arte para crianças e adolescentes da periferia; e um abrigo para menores em situação de vulnerabilidade social. Em ambas, ministrei oficinas de leitura e escrita literárias, e sabe o que eu vi? As crianças chegavam, sim, sem o menor interesse pelos livros. Claro. Como alguém vai se interessar, magicamente, por algo que não conhece?


Na ONG, havia também oficinas de música, teatro e cinema – e perdi as contas de quantos alunos chegavam à primeira aula terrivelmente frustrados porque queriam fazer cinema (onde teriam livre acesso a celulares para gravar curtas); ou música e teatro, com todos aqueles instrumentos, fantasias, maquiagem, subir aos palcos nos eventos de fim de ano e outros atrativos. Não me entendam mal, nunca tive nenhuma rixa besta com meus colegas educadores; éramos todos muito colaborativos e apaixonados por qualquer manifestação artística. Mas vejam só, na minha sala, ao invés de cenários, instrumentos musicais, microfones, araras de roupas e acessórios, havia uma pequeníssima estante de livros e eu. Sejamos sinceros, era mesmo a sala menos atrativa. E quem ficava na fila de espera das outras turmas podia ou ir embora ou ir pra literatura. O resultado era que em todo começo de semestre, ao menos metade da turma aparecia emburrada no primeiro dia; com a carta na manga, pronta pra jogar na minha cara diante de qualquer mínima reprimenda: “Eu nem queria estar aqui”.


Para os céticos que não acreditam em milagres, saibam que sim, eu tive paciência. E nesses três anos de trabalho, obtive provas concretas daquilo no que sempre acreditei: a literatura muda as pessoas. Muito. A níveis que nossa vã filosofia não consegue compreender. Eu vi crianças altistas contando histórias diante de uma sala cheia. Vi os “garotos-problema” das escolas vidrados em Lygia Fagundes Telles, Edgar Allan Poe, Guimarães Rosa, Chico Buarque, Clarice Lispector. Vi crianças que nunca haviam frequentado um sarau na vida reconhecerem, de ouvido, a autoria de Gonçalves Dias numa gravação. Vi meninos e meninas que se odiavam sentarem-se juntos para criar uma narrativa conjunta. Vi um órfão de 14 anos escrevendo, sem que eu pedisse, resenhas quinzenais dos livros que pegava emprestados comigo – para ao fim de um ano me dizer que havia começado a estudar para prestar vestibular em Letras. (Ele passou). Vi essas e tantas outras coisas, que poderia passar horas listando tudo por aqui.


Daí que a minha questão é simples: Pobre não lê? Pode ser até que seja verdade, mas nem rico consegue ler sem livro, né? Reduzir os preços dos produtos, ampliar políticas de distribuição e abastecimento de bibliotecas públicas, subsidiar (e não taxar) a produção nacional, promover políticas educacionais de estímulo à leitura e a escrita, incentivar autores e editoras independentes, profissionalizar o mercado editorial... isso sim é o que vai mudar o país. E não se enganem: quem trabalha na contramão sabe disso.


Concluo este post não com palavras minhas, mas com a resposta coletiva que minha primeira turma de literatura deu, ao fim de um ano de oficinas, à pergunta: Para que serve um livro? Espero que hoje, em especial, nesse Dia Mundial do Livro, a pergunta encontre respostas sólidas por aí também.



Para quê?


Para soltar a imaginação, quando a gente estiver muito pensativo.

Para desabafar, quando o coração estiver apertado.

Para aprender a ter respeito, quando todo mundo te desrespeita.

Para fazer uma serenata, quando a gente está apaixonado.

Para conhecer outros mundos, sem sair do seu mundo.

Para viajar, quando estamos sem dinheiro.

Para dizer que a gente está com saudade, quando alguém da família morreu.

Para ser feliz, quando a vida está chata.

Para vencer a timidez, quando a gente tem vergonha.

Para se distrair, quando tem prova no dia seguinte.

Para ser poético, quando a tristeza machuca.

Para fazer uma comunhão, quando a gente está na solidão.

Para brilhar, quando sua luz está apagada.

Para ter esperança, quando não se tem mais nada.

29 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

POSTS RECENTES

INSTAGRAM

ENTRE EM CONTATO

Book Shelf

Deu vontade de prosear? Então deixe aqui a sua mensagem ou escreva para o nosso endereço de e-mail. Retornaremos em breve!

  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!