Direitos autorais

O trabalho Recanto da Prosa de Aline Caixeta Rodrigues está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Isso significa que: você está autorizado a compartilhar os conteúdos deste blog, desde que atribua os devidos créditos à autora; mas sem alterá-los de nenhuma forma ou utilizá-los para fins comerciais.

Na noite escura

 

 

Tio Luiz era um sujeito muito comprido e muito sabido.

 

Tão comprido, que vivia com a cabeça nas nuvens. E tão sabido, que adivinhava sentimento.

 

Todo mundo gostava do tio Luiz, porque ele sempre dava carona, abraço apertado e pé-de-moleque.

 

De vez em quando, a gente viajava com o tio Luiz.

 

Papai e mamãe nem ligavam: “tio Luiz é um cara sério”, “tio Luiz é responsável”.

 

Mal eles sabiam...

 

... que toda noite, depois do jantar...

... e depois da sobremesa...

... e depois de tomar banho...

... tio Luiz virava monstro.

 

Às vezes, na noite escura, tio Luiz era fantasma. E quando isso acontecia, ele ou gritava, ou sussurrava, derrubava copo e ria.

 

Às vezes, na noite escura, tio Luiz era lobisomem. E quando isso acontecia, ele ou rosnava, ou resmungava, corria pro mato e ria.

 

Às vezes, na noite escura, tio Luiz era zumbi. E quando isso acontecia, ele ou pulava, ou tropeçava, virava os olhos e ria.

 

Às vezes, na noite escura, tio Luiz era vampiro. E quando isso acontecia, ele ou cantava ou lamentava, mostrava os dentes e ria.

 

Às vezes, na noite escura, tio Luiz era maluco. E quando isso acontecia, daí então ele só ria. Ria, ria, ria, ria.

 

Mas quando a gente tremia, com medo da noite escura, tio Luiz, sabido e manso, apontava lá pro céu.

 

“Olha lá a estrela d’alva, aquela, a mais brilhante”.

“Olha a lua pendurada, olha o planeta vermelho”.

“Olha só as Três Marias, lá no cinto do centauro”.

“Olha os peixes, o aquário, o rabo do escorpião”.

 

E depois de tanta aventura, a tremura virando ternura, clareava-se a noite escura...

 

... e tio Luiz apenas sorria.

 

 

Os contos de repetição são narrativas comuns em meio às literaturas de tradição oral e infantil contemporânea, que reiteram episódios, frases ou palavras, à moda de um refrão. Costumam ser facilmente memorizados e estão entre os gêneros preferidos das crianças.

Please reload

Siga
  • Facebook - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • wattpad_icon_orange
Inscreva-se para receber atualizações do blog
Inscreva-se para receber atualizações do blog
Destaques

Tapetes trocados

02.11.2019

1/7
Please reload

O Que Estou Lendo
Tags
Arquivo
Please reload

Procurar no blog