Direitos autorais

O trabalho Recanto da Prosa de Aline Caixeta Rodrigues está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Isso significa que: você está autorizado a compartilhar os conteúdos deste blog, desde que atribua os devidos créditos à autora; mas sem alterá-los de nenhuma forma ou utilizá-los para fins comerciais.

E agora, José?

 

Você sabe que dia é hoje? Dia das bruxas? Sim, isso mesmo. Mas hoje também é o dia nacional da poesia, e ainda que nós aqui do blog sejamos mais chegados à prosa, não podíamos deixar um dia tão especial passar em branco.

 

Originalmente, a data era comemorada no dia 14 de março, em função do aniversário de Castro Alves - representante da terceira geração do romantismo brasileiro, que ficou conhecido como "o poeta dos escravos", por ter denunciado os horrores da escravidão no famoso poema "O navio negreiro". No entanto, como o projeto de lei para oficializar a data foi arquivado, a presidente Dilma Rousseff sancionou em junho de 2015 uma lei que determinava o dia 31 de outubro como o dia nacional da poesia, em homenagem ao aniversário de Carlos Drummond de Andrade.

 

[trecho do poema "O navio negreiro" de Castro Alves] 

 

Nascido em 1902, em Itabira (MG), Drummond se tornou um ícone do movimento modernista no Brasil, destacando-se por sua poesia repleta de humor, ritmo, sensibilidade e profundo engajamento sócio-político. Escreveu para jornais e revistas ao longo de toda a vida, foi professor, redator, e da publicação de seu livro de estreia Alguma poesia (1930) em diante, não parou mais. É o autor de poemas célebres como "No meio do caminho", "Poema de sete faces", "Quadrilha"; e dos livros Sentimento do mundo, A rosa do povo, Amar se aprende amando e Fala, amendoeira (crônicas), dentre muitos outros.

 

 

[clique nos títulos dos livros para ler uma amostra de cada um]

 

Concluímos esta postagem num misto de felicidade por celebrar a vida e obra de Carlos de Drummond de Andrade e um profundo sentimento de angústia em relação ao futuro que nos aguarda, sentimento este que o poeta soube, em condições análogas, traduzir com propriedade no famoso poema "José".

 

Veja no vídeo abaixo a interpretação de Silvio Matos.

 

[para assistir no Youtube, clique aqui]

 

Please reload

Siga
  • Facebook - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • wattpad_icon_orange
Inscreva-se para receber atualizações do blog
Inscreva-se para receber atualizações do blog
Destaques

Tapetes trocados

02.11.2019

1/7
Please reload

O Que Estou Lendo
Tags
Arquivo
Please reload

Procurar no blog